Entre 2012 e 2013, enquanto voluntária no Schumacher College – Inglaterra, tive a oportunidade de conhecer a NOW – Networking of Wellbeing.

Quando conheci a proposta dos Cinco Caminhos para o Bem-Estar, projeto da NEF – New Economics Foundation que a NOW promove e aprofunda, fiquei imediatamente interessada e encantada. Interessada na oportunidade de poder divulgar essa ideia ao aceitar ser “Embaixadora” do Bem-Estar, e encantada com a simplicidade e, ao mesmo tempo, profundidade do projeto.
Como cinco palavras, cinco verbos – conectar, observar, ser ativo, aprender sempre e dar/doar – podem ser caminhos possíveis para o bem-estar pessoal e, no meu modo de ver, coletivo e do planeta?
Hoje quero explorar os dois primeiros verbos: conectar e observar.
Quando olhamos o site da NEF, podemos ver que o primeiro caminho proposto é o da conexão:

“Conecte-se com as pessoas ao seu redor. Com família, amigos, colegas e vizinhos. Em casa, no trabalho, na escola ou em sua comunidade local. Pense neles como pilares de sua vida e invista tempo aprimorando-os. Construa essas conexões que irão apoiar e enriquecer seu dia a dia.”

Eu ouso dizer que além dessas conexões precisamos ao mesmo tempo nos conectar com nós mesmos: com nosso corpo, nossa alma, nossa mente; com nossos sentimentos, emoções e sensações, pois são eles que nos dizem tudo a respeito de nosso próprio bem-estar. Sem a conexão com nós mesmos como saber o que precisamos, o que queremos, quem somos?

Como seres que somos apenas em relação, precisamos nos reconhecer conectados com os outros e aprofundar essas conexões, mas para que isso seja realmente profundo e rico precisamos ao mesmo tempo de nos conectar com nós mesmos.

E podemos começar de modo muito simples, apenas prestando atenção à nossa própria respiração. Como nos ensina Thich Nhat Hanh

Quando eu inspiro, eu sei que estou inspirando. Quando eu expiro, eu sei que estou expirando.

Ao prestar atenção na respiração eu não apenas me conecto com meu corpo, pensamentos e emoções, mas com todos os seres, humanos e não humanos, pois todos nós respiramos o mesmo ar! E ao parar para prestar atenção nesse ato tão básico e tão essencial, eu tenho a oportunidade de me conectar com o que está ao meu redor – os sons, as cores, os cheiros, a temperatura. Eu me conecto com a beleza do mundo.

Eu então percebo que, ao respirar com atenção plena eu me conecto comigo mesma e com o todo e que o verdadeiro bem-estar só é possível com ambos, ou seja, eu existo porque você existe, porque o mundo existe, como diz Satish Kumar em seu livro “You are, therefore I am”. Nós “Intersomos”, como diz Thich Nhat Hanh.

E o verbo conectar, o primeiro caminho proposto pela NEF, está intrinsicamente ligado a outro caminho proposto, o observar:

“Seja curioso. Aviste o belo. Preste atenção ao inusitado. Note as mudanças das estações. Saboreie o momento, seja ele o caminhar para o trabalho, o comer o almoço ou conversar com os amigos. Esteja ciente do mundo ao seu redor e ao que está sentindo. Refletir sobre suas experiências irá ajudar a apreciar o que lhe é importante.”

curso-eco-5

Se prestarmos atenção ao que é proposto pela NEF veremos a direta relação entre o conectar e o observar.

Para poder conectar comigo mesma – meu corpo, meus sentimentos, minhas necessidades, meus valores e crenças, eu preciso ser capaz de me observar atentamente, preciso ser capaz de perceber como me sinto e como reajo a cada uma das coisas que acontecem na minha vida. O que me faz bem? O que me faz mal? O que eu gosto e o que não gosto?

E para ser capaz de me conectar com o outro e com o mundo idem. Como posso ter relações verdadeiras e profundas se não consigo parar para observar atentamente o que está acontecendo com as pessoas ao meu redor? Como posso me conectar com o lugar onde vivo se não observo o que ele tem de belo e o que ele tem de feio, o que tem de bom e o que precisa mudar?

Se pararmos para pensar que tudo que nós fazemos e somos diz respeito a relações, veremos que tudo é sobre conectar e observar, observar e conectar.

E assim podemos continuar refletindo sobre cada um dos cinco caminhos propostos, cada um dos cinco verbos.


Originalente publicado na ECO Rede Social em 05/08/2015.